segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

Lewis Carroll (1832-1898)

Lewis Carroll

All in the golden afternoon
            Full leisurely we glide;
For both our oars, with little skill,
            By little arms are plied,
While little hand make vain pretense
            Our wanderings to guide.

Ah, cruel Three! In such an hour,
            Beneath such dreamy weather,
To be a tale of breath too weak
            To stir the tiniest feather!
Yet what can one poor voice avail
            Against three tongues together!

Imperious Prima flashes forth
            Her edict “to begin it”:
In gentle tones, Secunda hopes
            “There will be nonsense in it!”
While Tertia interrupts the tale
            Not more than once a minute.

Anon, to sudden silence won,
            In fancy they pursue
The dream-child moving through a land
            Of wonders wild and new,
In friendly chat with bird and beast –
            And half believe it true.

And ever, as the story drained
            The wells of fancy dry,
And faintly strove that weary one
            To put the subject by,
The rest next time – “It is next time!”
            The happy voices cry.

Thus grew the tale of Wonderland:
            Thus slowly, one by one,
Its quaint events were hammered out –
            And now the tale is done,
And home we steer, a merry crew
            Beneath the setting sun.

Alice! A childish story take,
            And, with a gentle hand
Lay it where Childhood’s dreams are twined
            In Memory’s mystic band,
Like pilgrim’s wither’d wreath of flowers
            Pluck’d in a far-off land.

Lewis Carroll

Todos, na tarde dourada,
            Deslizamos de puro prazer;
Ambos os remos, pouco treinados,
            Pequenos braços se movem,
Enquanto mãozinhas, em vão,
            Tentam nos guiar pelo rio.

Ah, Trinca cruel! Numa hora dessas,
            Sob um céu de sonhos,
Pedem histórias a alguém cansado
            Demais para soprar uma pluma!
Mas o que pode uma só voz dizer
            Contra três línguas juntas?

A imperiosa Prima se adianta
            Mandando logo “começá-la”:
Mais gentil, Secunda espera
            “Que haja bobagens nela!”,
Enquanto Tercia interrompe
            Não mais que uma vez por minuto.

Está bem, para ganhar seus silêncios,
            Ágeis, elas buscam
A criança de sonhos através de um país
            De maravilhas novas e loucas,
Que conversa, alegre, com pássaros e bichos –
            E quase acreditam ser verdade.

Sempre, quando a história secava
            Os poços da fantasia,
E quase arrastava o narrador cansado
            Para deixar o assunto de lado,
O resto na próxima vez – “Já é a próxima vez!”
            Gritam, alegres, em uníssono.

Assim nasceu a história do País das Maravilhas:
            Lentamente, um a um,
Seus eventos pitorescos foram engendrados –
            Agora a história foi contada,
E voltamos para casa, uma trupe animada,
            Navegando ao pôr do sol.

Alice! Aceite esta história de criança,
            Que, com mãos gentis, coloque,
Onde tecem os sonhos da infância,
            Na memória mística que trazemos,
Uma grinalda de flores que um peregrino
            Colheu numa terra bem distante.

Tradução de Thereza Christina Rocque da Motta

quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

T. S. Eliot (1888-1965)

T. S. Eliot

Let us go then, you and I,
When the evening is spread out against the sky
Like a patient etherized upon a table;
Let us go, through certain half-deserted streets,
The muttering retreats
Of restless nights in one-night cheap hotels
And sawdust restaurants with oyster-shells:
Streets that follow like a tedious argument
Of insidious intent
To lead you to an overwhelming question...
Oh, do not ask, “What is it?”
Let us go and make our visit.

In the room the women come and go
Talking of Michelangelo.

The yellow fog that rubs its back upon the window-panes,
The yellow smoke that rubs its muzzle on the window-panes,
Licked its tongue into the corners of the evening,
Lingered upon the pools that stand in drains,
Let fall upon its back the soot that falls from chimneys,
Slipped by the terrace, made a sudden leap,
And seeing that it was a soft October night,
Curled once about the house, and fell asleep.

And indeed there will be time
For the yellow smoke that slides along the street,
Rubbing its back upon the window-panes;
There will be time, there will be time
To prepare a face to meet the faces that you meet;
There will be time to murder and create,
And time for all the works and days of hands
That lift and drop a question on your plate;
Time for you and time for me,
And time yet for a hundred indecisions,
And for a hundred visions and revisions,
Before the taking of a toast and tea.

In the room the women come and go
Talking of Michelangelo.

And indeed there will be time
To wonder, “Do I dare?” and, “Do I dare?”
Time to turn back and descend the stair,
With a bald spot in the middle of my hair —
(They will say: “How his hair is growing thin!”)
My morning coat, my collar mounting firmly to the chin,
My necktie rich and modest, but asserted by a simple pin —
(They will say: “But how his arms and legs are thin!”)
Do I dare
Disturb the universe?
In a minute there is time
For decisions and revisions which a minute will reverse.

For I have known them all already, known them all:
Have known the evenings, mornings, afternoons,
I have measured out my life with coffee spoons;
I know the voices dying with a dying fall
Beneath the music from a farther room.
                   So how should I presume?

And I have known the eyes already, known them all—
The eyes that fix you in a formulated phrase,
And when I am formulated, sprawling on a pin,
When I am pinned and wriggling on the wall,
Then how should I begin
To spit out all the butt-ends of my days and ways?
                   And how should I presume?

And I have known the arms already, known them all—
Arms that are braceleted and white and bare
(But in the lamplight, downed with light brown hair!)
Is it perfume from a dress
That makes me so digress?
Arms that lie along a table, or wrap about a shawl.
                   And should I then presume?
                   And how should I begin?

Shall I say, I have gone at dusk through narrow streets
And watched the smoke that rises from the pipes
Of lonely men in shirt-sleeves, leaning out of windows? ...

I should have been a pair of ragged claws
Scuttling across the floors of silent seas.

And the afternoon, the evening, sleeps so peacefully!
Smoothed by long fingers,
Asleep ... tired ... or it malingers,
Stretched on the floor, here beside you and me.
Should I, after tea and cakes and ices,
Have the strength to force the moment to its crisis?
But though I have wept and fasted, wept and prayed,
Though I have seen my head (grown slightly bald) brought in upon a platter,
I am no prophet — and here’s no great matter;
I have seen the moment of my greatness flicker,
And I have seen the eternal Footman hold my coat, and snicker,
And in short, I was afraid.

And would it have been worth it, after all,
After the cups, the marmalade, the tea,
Among the porcelain, among some talk of you and me,
Would it have been worthwhile,
To have bitten off the matter with a smile,
To have squeezed the universe into a ball
To roll it towards some overwhelming question,
To say: “I am Lazarus, come from the dead,
Come back to tell you all, I shall tell you all”—
If one, settling a pillow by her head
                   Should say: “That is not what I meant at all;
                   That is not it, at all.”

And would it have been worth it, after all,
Would it have been worthwhile,
After the sunsets and the dooryards and the sprinkled streets,
After the novels, after the teacups, after the skirts that trail along the floor—
And this, and so much more?—
It is impossible to say just what I mean!
But as if a magic lantern threw the nerves in patterns on a screen:
Would it have been worth while
If one, settling a pillow or throwing off a shawl,
And turning toward the window, should say:
                   “That is not it at all,
                   That is not what I meant, at all.”

No! I am not Prince Hamlet, nor was meant to be;
Am an attendant lord, one that will do
To swell a progress, start a scene or two,
Advise the prince; no doubt, an easy tool,
Deferential, glad to be of use,
Politic, cautious, and meticulous;
Full of high sentence, but a bit obtuse;
At times, indeed, almost ridiculous—
Almost, at times, the Fool.

I grow old ... I grow old...
I shall wear the bottoms of my trousers rolled.

Shall I part my hair behind?   Do I dare to eat a peach?
I shall wear white flannel trousers, and walk upon the beach.
I have heard the mermaids singing, each to each.

I do not think that they will sing to me.

I have seen them riding seaward on the waves
Combing the white hair of the waves blown back
When the wind blows the water white and black.
We have lingered in the chambers of the sea
By sea-girls wreathed with seaweed red and brown
Till human voices wake us, and we drown.
T. S. Eliot

Vamos, então, você e eu,
Quando a tarde se estende no céu
Como um paciente anestesiado sobre a mesa,
Vamos, atravessando certas ruas semidesertas,
Os refúgios ruidosos
De noites inquietas em quartos de hotéis baratos
E restaurantes fuleiros que servem ostras:
Ruas que seguem como discussões entediantes
Com intenções insidiosas
Para levá-lo a uma pergunta imponderável...
Ah, não pergunte, “O que é isto?”.
Vamos juntos e façamos nossa visita.

Na sala as mulheres vêm e vão
Falando sobre Michelangelo.

A parda neblina que se esgueira nas vidraças,
A parda fumaça que se esfrega nas vidraças,
Lambe as esquinas da noite,
Demorando-se nas poças nas bocas de lobo,
Deixou cair em seu dorso a fuligem das chaminés,
Deslizou pelo terraço, deu um salto súbito,
E ao ver que era uma suave noite de outubro,
Enrodilhou-se em volta da casa, e adormeceu.

E de fato haverá tempo
Para a densa névoa que desliza pela rua,
Roçando as costas pelas vidraças;
Haverá tempo, haverá tempo
Para preparar-se e encarar todos os que encontrar;
Haverá tempo de matar e de criar,
E tempo para todos os trabalhos e dias para as mãos
Que se erguem e lhe fazem perguntas;
Tempo para você e tempo para mim,
E tempo ainda para uma centena de indecisões,
E para uma centena de visões e revisões,
Antes das torradas com chá.

Na sala as mulheres vêm e vão
Falando sobre Michelangelo.

E de fato haverá tempo
Para pensar: “Ousarei?” e, “Ousarei?”.
Tempo de voltar e descer as escadas,
Com a calva mostrando-se no alto da cabeça –
(Dirão: “Como ele está ficando careca!”)
Meu casaco, o colarinho cobrindo o queixo,
Minha gravata elegante e modesta, mas segura por uma presilha –
(Dirão: “Como seus braços e pernas estão finos!”)
Perturbar o universo?
Num minuto haverá tempo
Para decisões e revisões que reverterão em um minuto.

Pois eu já conheci todos, conheci-os todos:
Conheci as noites, as manhãs, as tardes,
Medi minha vida com colheres de café;
Conheço as vozes que morrem ao final do outono
Por entre a música que vem de uma sala mais longínqua.
                   Então o que devo pensar?

E eu já vi olhos, vi-os todos –
Os olhos que se fixam ao formular uma frase,
E quando me formulo, espalhando-me num alfinete,
Quando estou alfinetado e me retorcendo na parede,
Então como devo começar
A cuspir as bitucas dos meus dias e modos?
                   E como eu devo ousar?

Já vi os braços, vi-os todos –
Braços com braceletes, brancos e despidos
(Mas à luz da lâmpada, cobertos com pelos castanhos claros!)
É o perfume de um vestido
Que tanto me faz divagar?
Braços pousados sobre a mesa, ou envoltos num xale.
E então eu deveria ousar?
E por onde devo começar?

E eu direi que caminhei ao anoitecer por ruas estreitas
E vi a fumaça que subia dos cachimbos
De homens solitários em mangas de camisa, debruçados nas janelas?...

Eu deveria ser um par de garras esfarrapadas
Escorregando pelo fundo de mares silenciosos.

E a tarde, a noite, dormir tão pacificamente!
Acarinhado por longos dedos,
Adormecido... cansado… ou fingindo que está doente,
Estirado no chão, aqui ao nosso lado.
Deveria eu, após o chá, bolos e sorvetes,
Ter a força para provocar uma crise neste momento?
Embora eu tenha chorado e jejuado, chorado e orado,
Embora eu tenha visto minha cabeça (ligeiramente calva) trazida numa bandeja,
Não sou profeta – e isso não tem importância;
Eu vi o instante da minha maior fraqueza,
E vi o eterno Lacaio segurar meu casaco, e o riso
E, em suma, eu senti medo.

E teria valido a pena, afinal,
Depois das xícaras, da geleia, do chá,
Entre a porcelana, entre as palavras que dissemos,
Teria valido a pena
Ter cortado o assunto com um sorriso,
Ter comprimido o universo numa bola,
Rolando-a para uma pergunta excruciante,
Dizendo: “Sou Lázaro, ressurgi dos mortos,
Voltei para lhe dizer a todos, eu direi a todos” –
Se alguém, colocando um travesseiro sob sua cabeça
Dissesse: “Eu não quis dizer isso;
Não é isso, nada disso”.

E teria valido a pena, afinal,
Teria valido a pena,
Depois dos pores do sol e das portas de jardins e das ruas salpicadas,
Depois dos romances, depois das xícaras de chá, depois das saias que se arrastam pelo chão –
E isto, e muito mais? –
É impossível dizer o que quero dizer!
Mas, como se uma lanterna mágica mostrasse a rede nervosa sobre a tela:
Teria valido a pena
Se for um, colocando um travesseiro, ou pondo um xale,
E, voltando-se para a janela, dissesse:
                   “Não é nada disso,
                   Não é isso o que eu quis dizer, não mesmo”.

Não! Eu não sou Príncipe Hamlet, nem pretendo ser;
Sou um lorde, um que fará tudo
Para incutir o progresso, começar uma cena ou outra,
Aconselhar o príncipe; sem dúvida, um instrumento fácil,
Diferencial, feliz em servir,
Político, cauteloso, e meticuloso;
Cheio de grandes frases, mas um pouco obtuso;
Às vezes, de fato, quase ridículo –
Quase, às vezes, o Bobo.

Eu envelheço... Eu envelheço...
Vou enrolar as bainhas das minhas calças.

Devo repartir meu cabeço atrás? Ouso comer um pêssego?
Vestirei calças brancas de flanela, e andar pela praia.
Ouvi as sereias cantando, de uma para a outra.

Não creio que cantarão para mim.

Eu as vi nadando sobre as ondas para o meio do oceano
Penteando as espumas das ondas sopradas para trás
Quando o vento sopra as águas brancas e negras.
Demoramo-nos nas câmaras do mar
Junto a sereias envoltas em algas vermelhas e castanhas
Até vozes humanas nos despertarem, e nos afogamos.

Tradução: Thereza Rocque da Motta 

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Fernando Pessoa (1888-1935)

Para ser grande, sê inteiro: nada
Teu exagera ou exclui.
Sê todo em cada coisa. Põe quanto és
No mínimo que fazes.
Assim em cada lago a lua toda
Brilha, porque alta vive.

To be great, be wholesome: never
Exaggerate or exclude.
Be whole in each thing. Put all you are
In the least you do.
So in each pond the whole moon
Shines, as it lives up high.

Ode de Ricardo Reis (heterônimo de Fernando Pessoa)

Tradução: Thereza Christina Rocque da Motta 

quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Edgar Allan Poe (1809-1849)

Edgar Allan Poe

It was many and many a year ago, 
   In a kingdom by the sea, 
That a maiden there lived whom you may know 
   By the name of Annabel Lee; 
And this maiden she lived with no other thought 
   Than to love and be loved by me. 

I was a child and she was a child, 
   In this kingdom by the sea, 
But we loved with a love that was more than love— 
   I and my Annabel Lee— 
With a love that the wingèd seraphs of Heaven 
   Coveted her and me. 

And this was the reason that, long ago, 
   In this kingdom by the sea, 
A wind blew out of a cloud, chilling 
   My beautiful Annabel Lee; 
So that her highborn kinsmen came 
   And bore her away from me, 
To shut her up in a sepulchre 
   In this kingdom by the sea. 

The angels, not half so happy in Heaven, 
   Went envying her and me— 
Yes!—that was the reason (as all men know, 
   In this kingdom by the sea) 
That the wind came out of the cloud by night, 
   Chilling and killing my Annabel Lee. 

But our love it was stronger by far than the love 
   Of those who were older than we— 
   Of many far wiser than we— 
And neither the angels in Heaven above 
   Nor the demons down under the sea 
Can ever dissever my soul from the soul 
   Of the beautiful Annabel Lee; 

For the moon never beams, without bringing me dreams 
   Of the beautiful Annabel Lee; 
And the stars never rise, but I feel the bright eyes 
   Of the beautiful Annabel Lee; 
And so, all the night-tide, I lie down by the side 
   Of my darling—my darling—my life and my bride, 
   In her sepulchre there by the sea— 
   In her tomb by the sounding sea.

Edgar Allan Poe

Há muitos e muitos anos,
num reino junto ao mar,
havia uma moça
chamada Annabel Lee,
que só vivia com um pensamento,
de amar e ser amada por mim.

Eu era criança e ela era criança,
neste reino junto ao mar,
mas nosso amor era maior que o amor -
o meu e o de Annabel Lee,
um amor que os serafins do Céu
começaram a invejar.

E foi essa a razão por que, há muito,
neste reino junto ao mar,
surgiu um vento de uma nuvem, gelando
a minha bela Annabel Lee.
E seus nobres parentes vieram
e a levaram de mim,
para fechá-la numa tumba
neste reino junto ao mar.

Os anjos, não tão felizes no Céu,
continuaram a nos invejar,
Sim! Esta foi a razão (como todos sabem,
neste reino junto ao mar)
por que o vento surgiu da nuvem à noite
gelando e matando a minha Annabel Lee.

Mas nosso amor era mais forte que o amor
daqueles mais velhos que nós -
daqueles mais sábios que nós -
e nem os anjos do Céu acima,
nem os demônios no fundo do mar
jamais poderão separar minha alma da alma
da bela Annabel Lee.

Pois o luar sempre me traz sonhos
da bela Annabel Lee,
e as estrelas no céu me trazem o olhar
da bela Annabel Lee;
e, assim, por toda a noite, me deito ao lado
da minha amada, querida, minha noiva, minha vida,
em seu sepulcro junto ao mar -
em sua tumba junto ao murmúrio do mar.

Tradução de Thereza Christina Rocque da Motta

terça-feira, 16 de agosto de 2016

William Shakespeare (1564-1616)

Act 3, Scene 1

Enter Hamlet

To be or not to be - that is the question:
Whether 'tis nobler in the mind to suffer
The slings and arrows of outrageous fortune,
Or to take arms against a sea of troubles,
And, by opposing, end them. To die, to sleep -
No more-and by a sleep to say we end
The heartache and the thousand natural shocks
That flesh is heir to-'tis a consummation
Devoutly to be wished. To die, to sleep –
To sleep, perchance to dream. Aye, there's the rub,
For in that sleep of death what dreams may come,
When we have shuffled off this mortal coil,
Must give us pause. There's the respect
That makes calamity of so long life.
For who would bear the whips and scorns of time,
Th' oppressor's wrong, the proud man's contumely, [F: poor]
The pangs of despised love, the law’s delay, [F: disprized]
The insolence of office, and the spurns
That patient merit of the unworthy takes,
When he himself might his quietus make
With a bare bodkin? Who would fardels bear, [F: these Fardels]
To grunt and sweat under a weary life,
But that the dread of something after death,
The undiscovered country from whose bourn
No traveler returns, puzzles the will
And makes us rather bear those ills we have
Than fly to others that we know not of?
Thus conscience does make cowards of us all,
And thus the native hue of resolution
Is sicklied o'er with the pale cast of thought,
And enterprises of great pitch and moment, [F: pith]
With this regard their currents turn awry, [F: away]
And lose the name of action. – Soft you now,
The fair Ophelia. – Nymph, in thy orisons
Be all my sins remembered

Ato 3, Cena 1

Entra Hamlet

Ser ou não ser – eis a questão: 
se é mais nobre a mente sofrer 
as pedradas e flechadas da má sorte, 
ou debater-se em um mar de problemas, 
e, ao se opor, dar a eles um fim. Morrer, dormir – 
não mais – e por dormir dizemos que findamos
a dor e os mil choques naturais 
que atacam o corpo – é uma consumação
que desejamos com todo o ardor. Morrer, dormir – 
dormir, talvez sonhar. Ah, esse é o obstáculo, 
porque nesse sono de morte que os sonhos trazem,
quando já deixamos esta ronda mortal, 
deve-nos dar uma trégua. Há o respeito
que torna uma vida uma calamidade tão longa. 
Quem suportaria os relhos e os desdéns do tempo,
o erro do opressor, a contumácia do orgulhoso, 
as dores do amor rejeitado, o atraso da lei, 
a insolência do ofício, e o desprezo 
que se exige do mérito paciente dos desvalidos,
quando ele mesmo pode libertar-se da vida
com uma lâmina? Quem carregaria os fardos, 
para sofrer e suar em sua triste vida, 
mas pelo medo de alguma coisa após a morte, 
a terra ignota dos aventureiros que dela
nunca retornam, confunde a nossa vontade
e faz-nos preferir suportar os males que temos
do que ir ao encontro daqueles que desconhecemos?
Portanto a consciência faz de nós todos uns covardes, 
e assim a própria cor da decisão
é podada pelo mero pensamento, 
e momentos de grandes gestos e de inspiração, 
com isso a sua força arrefece
e abandonam a ação. – Mas agora aproxima-se 
a bela Ofélia. – Ninfa, em suas preces,
lembra-te de todos os meus pecados.

Tradução de Thereza Christina Rocque da Motta